Twitter

CUT MS > LISTAR NOTÍCIAS > AGÊNCIA DE NOTÍCIAS > COM APOIO DA CUT/MS, PESQUISADORES QUEREM CRIAR COMITÊ ESTADUAL CONTRA O AGROTÓXICO

Com apoio da CUT/MS, pesquisadores querem criar comitê estadual contra o agrotóxico

28/09/2011

O SINDICATO NACIONAL DOS TRABALHADORES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO esta engajado na luta nacional permanente contra o agrotóxico no Brasil, propondo a criação de uma comissão no MS.

Escrito por: Palmir Cleverson Franco com assessoria

No estado o uso do agrotóxico é feito em larga escala, tanto nas lavouras, quanto na pecuária,

O SINDICATO NACIONAL DOS TRABALHADORES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO - SINPAF esta engajado na luta nacional permanente contra o agrotóxico no Brasil. Por acreditar nesta bandeira está propondo a criação de um Comitê Estadual Permanente Contra os Agrotóxicos em Mato Grosso do Sul.

 

No estado o uso do agrotóxico é feito em larga escala, tanto nas lavouras, quanto na pecuária, tal qual de norte a sul do país, e só com um trabalho de conscientização, denuncia e muita luta poderá propor alternativas para acabar com o envenenamento de muitas famílias.

Desta forma, o SINPAF está convidando as entidades e lideranças que se identificam com essa temática para criar no MS o Comitê Estadual Permanente Contra o Agrotóxico, para em conjunto com a Campanha Nacional Contra o Agrotóxico e pela vida, empreender um trabalho na busca do fim do envenenamento compulsório do povo brasileiro.

 

A reunião preliminar acontecerá no dia 30 de setembro de 2011 na sede da

Cut/MS, rua travessa Coronel Edgard Gomes nº49 Bairro São Tomé, próximo a Feira central de Campo Grande, às 17h para deliberar a mobilização para a criação do Comitê. No dia 07 de outubro será realizado o lançamento do Comitê dando maior visibilidade à luta.

 

Sobre as ações do Comitê;

 

O Comitê não deve ser necessariamente um espaço físico, mas acima de tudo um espaço de articulação das forças contra os agrotóxicos. Para isto é necessário a realização de reuniões periódicas, ter um calendário de ações que busque denunciar os efeitos dos agrotóxicos na saúde, no meio ambiente, etc. Desta forma o comitê deve:

Servir de "balcão de denúncias" para monitorar e denunciar publicamente e coletivamente as empresas para desgastá-las.

 

Levar a contradição posta pelos agrotóxicos para dentro da estrutura do estado, apresentando projetos de lei, construindo audiências públicas, articulando-se com secretarias de saúde, parlamentares próximos, conselhos municipais e estaduais de saúde, de segurança alimentar, de educação etc.

 

Fazer atividades de formação e agitação popular, com ações nos supermercados, distribuição de panfletos, etc. Nestes momentos, aproveitar para propagandear agroecologia e os valores. Marcar audiências públicas seguidas de atos públicos para criar fatos políticos contra os agrotóxicos.

 

Articular-se com a academia, buscando assim parcerias com pesquisadores, professores, etc; de forma que possam ajudar a nos subsidiar com informações cientificas e ao mesmo tempo colocar o tema para dentro do espaço acadêmico.

 

Relacionar a problemática dos agrotóxicos com a saúde dos trabalhadores (desde os camponeses, assalariados rurais, etc, até os trabalhadores das empresas).

Fazer lutas concretas: denunciar as empresas, impactos à saúde e ao meio ambiente.

 

Elaboração de materiais específicos da região/estado e garantir a reprodução dos demais materiais da campanha.

 

Se relacionar com os conselhos municipais de saúde, alimentação, educação e outros. Envolver quem acessa o PAA e o PNAE nos municípios tanto pela produção como no consumo de escolas e entidades. Envolver os setores da comunicação (sindicatos de jornalistas, radialistas...) para dar respaldo e visibilidade ao comitê.

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
INSTITUCIONAL
SECRETARIAS
ESTRUTURA

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DO MATO GROSSO DO SUL
Travessa Coronel Edgarde Gomes, 49 | São Tomé | CEP 79002-339 | Campo Grande | MS
Fone: (55 67) 3325.9406 / 3325.8378 | www.cut-ms.org.br | e-mail: cutms.ms@hotmail.com