Twitter

CUT MS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > JURISTA QUESTIONA MATÉRIA DO TRF-4 SOBRE RITO DE JULGAMENTO  

Jurista questiona matéria do TRF-4 sobre rito de julgamento  

09/01/2018

"Nunca tinha visto texto com este teor no site do TRF-4”, afirma a jurista Tânia Mandarino, se referindo à maneira como a Corte conduz processo contra Lula

Escrito por: Solange do Espírito Santo, especial para a CUT

De forma inusitada, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) divulgou em seu site, na noite desta segunda-feira (8), matéria detalhada sobre como será o rito do julgamento do ex-presidente Lula pela 8ª Turma da Corte, marcado para o próximo dia 24.

Sob o título de “Entenda como vai funcionar o julgamento da apelação do ex-presidente Lula no TRF4”, o texto explica como será a sessão de julgamento do recurso da defesa do ex-presidente contra condenação em primeira instância – os advogados pedem a absolvição de Lula por falta de provas – e detalha o caso envolvendo o apartamento tríplex no Guarujá, falando em “favorecimento da construtora OAS em contratos com a Petrobras, com pagamento de propina ao Partido dos Trabalhadores e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva”.

A segunda instância da Justiça parece seguir a cartilha do juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, que condenou Lula sem provas em um processo midiático, mais político do que técnico. Assim que o processo chegou, o presidente do TRF-4, Carlos Thompson Flores, se apressou em ir aos jornais para elogiar a sentença de Moro sem sequer ler os termos da condenação, muito menos os argumentos da defesa. A partir daí, deu muitas entrevistas, defendeu funcionários do Tribunal que pediram em redes sociais a prisão de Lula e tomou decisões como essa de ontem de detalhar o processo, o que chamou a atenção de juristas que criticaram esse espetáculo em torno do caso.

“Nunca tinha visto texto com este teor no site do TRF-4”, afirmou a jurista de Curitiba Tânia Mandarino, que integra o Coletivo Advogadas e Advogados pela Democracia.

Até agora, o máximo que aquela instância da Justiça divulgava com antecedência eram as pautas de julgamentos, lembrou Tânia. “Embora o Tribunal dê ênfase à Operação Lava Jato, as matérias sobre o assunto sempre são divulgadas depois, com o resultado dos julgamentos. Texto como este, anunciando todo o rito do julgamento, não é usual”.

A postura incomum da Corte de Porto Alegre também foi criticada pelo jurista José Carlos Moreira, que em entrevista ao Portal da CUT, afirmou que “os magistrados não podem estar expostos à mídia, falando sobre os casos que estão julgando ou que poderão vir a julgar porque o que rege a Justiça é a discrição e a imparcialidade”, se referindo aos elogios do presidente do TRF-4 à sentença de Moro.

Também em entrevista ao Portal da CUT, o ex-ministro da Justiça, Eugênio Aragão, disse que "está faltando pudor ao Judiciário, como mostra todo o ‘auê’ em torno do caso”.

Sobre a postura do Tribunal gaúcho, Tânia Mandarino citou ainda o comportamento da chefe de gabinete [Daniela Kreling Lau] de Thompson Flores que, nas redes sociais, pediu a prisão do ex-presidente. “Isso só confirma como a Justiça está agindo”.

Para ela, a postura do desembargador Thompson Flores já seria motivo suficiente para a suspeição de todo o Tribunal para julgar o caso. “A matéria de ontem talvez seja mais uma tentativa de acariciar o povo e tentar parecer honesto”, destacou a jurista.

Na opinião de Tânia, as mobilizações de apoio a Lula, com atos e vigília em Porto Alegre, podem ter levado o presidente do Tribunal a tentar acalmar a militância.

“Talvez o TRF-4 esteja com ‘medinho’ do povo que vai a Porto Alegre acompanhar o julgamento e queira aplacar os ânimos, tentando mostrar, com esse texto, uma lisura e uma transparência que não existe na corte”.

Pedido de absolvição

 

Tânia Mandarino anunciou que na próxima semana o Coletivo Advogadas e Advogados pela Democracia vai entregar aos três juízes da 8ª Turma do TRF-4 - um memorial detalhado pedindo a absolvição de Lula. No documento, o grupo de juristas aponta mais de 15 irregularidades na condução do processo contra o ex-presidente. Os três desembargadores da 8ª Turma são: João Pedro Gebran Neto, Leandro Paulsen e Victor Luiz dos Santos Laus.

“Todo o processo é viciado. Não há provas contra Lula e sua condenação seria o golpe dentro do golpe”, afirmou.

Para ela, o resultado do julgamento do próximo dia 24 será um divisor de águas para o país. “Não tenho dúvidas que, independentemente do resultado, teremos que continuar lutando e resistindo para recuperar a democracia e os direitos do povo”, concluiu Tânia.

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
INSTITUCIONAL
SECRETARIAS
ESTRUTURA

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DO MATO GROSSO DO SUL
Travessa Coronel Edgarde Gomes, 49 | São Tomé | CEP 79002-339 | Campo Grande | MS
Fone: (55 67) 3325.9406 / 3325.8378 | www.cut-ms.org.br | e-mail: cutms.ms@hotmail.com