Twitter

CUT MS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > VITÓRIA DOS QUILOMBOLAS: STF DECIDE QUE DECRETO DE LULA É CONSTITUCIONAL

Vitória dos quilombolas: STF decide que decreto de Lula é constitucional

09/02/2018

Com 10 votos a favor, Supremo decide que decreto do ex-presidente Lula sobre demarcação de terras de comunidades quilombolas é constitucional

Escrito por: CUT Nacional

Após 14 anos, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira (8), por maioria de votos, que o decreto do ex-presidente Lula regulamentando, em 2003, a demarcação de terras de comunidades quilombolas é constitucional. 

Foram mantidas as regras de autodeterminação. Isso significa que a própria comunidade determina quem são e onde estão os quilombolas, além do direito à posse das terras que eram ocupadas no momento da promulgação da Constituição.

Para a secretaria nacional de Combate ao Racismo da CUT, Julia Noqueira, a decisão do STF foi uma vitória para os quilombolas de todo o Brasil e “representa mais uma derrota do DEM”. 

"É uma vitória. Já é o segundo decreto desse partido para barrar as poucas conquistas da população negra. Foi assim com as cotas nas universidades, e conseguimos uma vitória do STF. Agora, o DEM teve mais essa derrota. É uma posição racista desse partido”, disse a dirigente.

Entenda o caso

Em 2004, o partido Democratas (DEM) entrou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade -  (ADI) número 3239/04 -, contra a regulamentação das terras. Durante todos esses anos, o movimento negro e as comunidades quilombolas protestaram e fizeram atos pela constitucionalidade do decreto de Lula.

Mas, apenas ontem, o STF julgou a Ação do DEM que contestava a constitucionalidade do Decreto 4.887/2003, sobre os procedimentos para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades de quilombos.

E, por 8 votos a favor da constitucionalidade do decreto, dois votos parciais e um contra o questionamento, os ministros do STF garantiram os direitos dos quilombolas. Votaram a favor da manutenção do decreto: Cármen Lúcia, presidente do STF; e os  ministros Ricardo Lewandowski, Rosa Weber, Roberto Barroso, Edson Fachin, Marco Aurélio, Luiz Fux e Celso de Mello.  

Houve somente uma posição favorável ao pedido do DEM, que foi dado pelo ex-ministro Cezar Peluso, em 2012, quando era relator do caso. 

Já os ministros José Antonio Dias Toffoli e Gilmar Mendes, acataram parcialmente o pedido do DEM de demarcar o marco temporal para assentar a titulação apenas em áreas ocupadas pelos quilombolas na data de promulgação da Constituição, em 1988, salvo comprovação de perda da posse em função de atos ilícitos. 

Esse limite é chamado de marco temporal. Caso fosse aprovado, ficariam de fora, por exemplo, muitos quilombolas que já haviam sido expulsos de suas terras por invasores.
Com a vitória na votação, a questão do marco temporal foi suprimida.

Mais de 2.400 quilombos aguardam titulação definitiva

De acordo com dados, a Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq), hoje mais 2.400 quilombos foram reconhecidos pela Fundação Palmares e aguardam sua titulação definitiva pelo Incra, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. 

Apenas 4% dos mais de 1.600 processos de titulação de terras quilombolas em andamento Incra foram concluídos. Além de o programa de reconhecimento de áreas quilombolas praticamente não avançar, o seu orçamento encolheu 94% em sete anos, despencando de R$ 64 milhões em 2010 para R$ 4 milhões em 2017.

 

Com apoio Brasil de Fato e RBA

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
INSTITUCIONAL
SECRETARIAS
ESTRUTURA

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DO MATO GROSSO DO SUL
Travessa Coronel Edgarde Gomes, 49 | São Tomé | CEP 79002-339 | Campo Grande | MS
Fone: (55 67) 3325.9406 / 3325.8378 | www.cut-ms.org.br | e-mail: cutms.ms@hotmail.com