Twitter

CUT MS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > BURGER KING É CONDENADO A INDENIZAR TRABALHADOR POR DANOS MORAIS

Burger King é condenado a indenizar trabalhador por danos morais

09/02/2018

Rede só fornece “fast food”, alimentação considerada inadequada a trabalhadores

Escrito por: Andre Accarini

O Burger King foi condenado a indenizar um trabalhador em R$ 10 mil reais por obrigá-lo a se alimentar diariamente com a refeição comercializada pela própria rede de fast-food.

“Os fast-foods utilizam alimentos ultraprocessados que aumentam o risco de câncer, de doenças cardíacas, obesidade, hipertensão e várias outras patologias”, explica a nutricionista do Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo (SINDSEP-SP), Sheila Costa, que alerta para a necessidade do trabalhador e da trabalhadora manter uma alimentação balanceada e saudável: “quanto mais natural, mais saudável; no caso do Burger King e outros fast-foods os alimentos são todos processados”.

É o que entendeu a 4ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, que considerou a alimentação servida pelo Burg King prejudicial à saúde do trabalhador. O Tribunal entendeu que imposição do grupo de fast-food despreza valores supremos da Constituição Federal, “em especial a dignidade da pessoa do trabalhador e o dever de proteção da higidez biopsíquica de seus empregados", além de desrespeitar o valor social do trabalho e não cumprir a função social da empresa.

Para a secretária de Saúde do Trabalhador da CUT, Madalena Margarida Alves, a decisão da justiça contra a rede de fast-food Burger King, mesmo que seja sobre um caso individual, “é uma grande vitória no momento pelo qual passa o Brasil, em que os trabalhadores e trabalhadoras estão sendo atacados em seus direitos, incessante e diariamente, por um governo ilegítimo e golpista, a serviço do capital.”

Norma coletiva

A norma coletiva da categoria – dos trabalhadores em empresas de refeição rápida (fast-food) - determina que as empresas ofereçam opções aos empregados, como refeição gratuita ou vale-refeição. No entanto, a definição de refeição a ser fornecida está disciplinada em uma portaria editada em 2006 pelos Ministérios do Trabalho e Emprego, Fazenda, Saúde, Previdência Social e  Desenvolvimento Social.

A portaria alterou definições do Programa de Alimentação dos Trabalhadores, o PAT, determinando que alimentação saudável é  “o direito humano a um padrão alimentar adequado às necessidades biológicas e sociais dos indivíduos, respeitando os princípios da variedade, da moderação e do equilíbrio, dando-se ênfase aos alimentos regionais e respeito ao seu significado socioeconômico e cultural, no contexto da Segurança Alimentar e Nutricional.”

Na resolução consta, inclusive, uma tabela nutricional com as quantidades recomendadas de nutrientes.

Sheila Costa exemplifica: a batata-frita do fast food é um alimento preparado que pode conter de oito a dez ingredientes, incluindo amido, gordura hidrogenada e alto teor de sódio.

“Não é batata”, ironiza a nutricionista que cita estudos realizados por universidades e organizações ligadas à saúde que relacionam o câncer de intestino ao alto consumo de alimentos processados. E não há quantidade recomendável. “Quanto menos, melhor e se puder tirar do cardápio, melhor ainda”, diz Sheila.

Não há um padrão de quanto tempo leva para que as consequências se manifestarem no organismo, explica a nutricionista. Segundo ela, “há vários fatores como genética, estilo de vida, sedentarismo que potencializam, mas os estudos são bem claros quando mostram que o aumento do consumo de ultraprocessados aumenta o risco de doenças”, diz a especialista.

Assédio moral

Para a secretária de Saúde do Trabalhador da CUT, o caso do trabalhador expõe outro lado das dificuldades nas relações de trabalho. Primeiro, a atuação do Burger King fere o direito à alimentação segura dos trabalhadores, diz Madalena, que complementa: “o próprio conceito de segurança alimentar compreende o direito de todos terem acesso de forma regular e permanente à alimentação saudável”.

Por outro lado, diz Madalena, obrigar o funcionário a se alimentar de maneira não saudável se configura como assédio moral.

Ela explica que “uma das características do assédio é a frequência com que ocorre. Se há uma imposição de os trabalhadores se alimentarem daquela forma, sem fornecer outras opções, pode-se dizer que é assédio moral”.

A dirigente da CUT alerta que, além das patologias já citadas, a situação pode causar transtornos psíquicos nos trabalhadores.

Saúde dos brasileiros

No Brasil, em uma década (de 2006 a 2016), doenças crônicas avançaram. Houve aumento de 61,8% de casos de diabetes e 14,2% de casos de hipertensão. Atualmente, mais da metade da população está com peso acima do recomendado. O índice é de 18,9% de brasileiros obesos.

Os dados são do Vigitel, um sistema de monitoramento (vigilância) de fatores de risco e proteção para doenças crônicas na população do Ministério da Saúde e a pesquisa é feita por telefone. O sistema foi desenvolvido e testado em 2003 em São Paulo pela USP e colocado em prática no país a partir de 2006, durante o governo Lula.

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
INSTITUCIONAL
SECRETARIAS
ESTRUTURA

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DO MATO GROSSO DO SUL
Travessa Coronel Edgarde Gomes, 49 | São Tomé | CEP 79002-339 | Campo Grande | MS
Fone: (55 67) 3325.9406 / 3325.8378 | www.cut-ms.org.br | e-mail: cutms.ms@hotmail.com