Twitter

CUT MS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > EM CARTA ABERTA À POPULAÇÃO, SINDICATO DOS FERROVIÁRIOS DO MS DEFENDE ESTATIZAÇÃO DAS FERROVIAS

Em carta aberta à população, Sindicato dos Ferroviários do MS defende estatização das ferrovias

29/06/2015

Demissões desenfreadas, danos ao patrimônio histórico, sucateamento da malha ferroviária compõem a base do documento

Escrito por: Stefbums, com informações Sérgio Souza Júnior CUT-MS e Thalita Moya AL-MS

Evanildo da Silva do Stefbu (arquivo)Por conta de inúmeros problemas vividos pelos trabalhadores ferroviários de Mato Grosso do Sul, o Stefbu (Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de Bauru e Mato Grosso do Sul) filiado à CUT, começou a desenvolver uma série de ações para denunciar a situação da categoria.

No dia 21 de Maio, em Campo Grande (MS), Deputados e representantes sindicais realizaram uma intervenção no plenário da Assembleia Legislativa do estado, cobrando uma audiência pública com a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) para esclarecer o encerramento das atividades no trecho que liga Corumbá a Bauru.

Na oportunidade, Evanildo da Silva, diretor do Sindicato dos Trabalhadores de Empresas Ferroviárias de Bauru e Mato Grosso do Sul, os transtornos causados ferem as causas trabalhistas e compromete o escoamento da produção estadual. “Contratos com empresas de derivados de petróleo e de produtos siderúrgicos estão sendo rompidos e tudo está sendo paralisado sem qualquer explicação”, afirmou o diretor que defendeu a ‘reestatização’ da ferrovia. “O governo federal tem que tomar o controle porque o desmonte da malha ferroviária vai causar muitos prejuízos”, considerou.

Fusão e crise - A crise no setor, segundo o representante, se intensificou após a fusão da Rumo Logística com a ALL, aprovada pela ANTT em novembro de 2014. Em todo o Brasil, a empresa prevê investimentos de quase R$ 8 bilhões. “Tanto investimento, mas não sobra nada para nossa malha. Definiram o nosso trecho como ‘antieconômico’ mas se não gera lucro, é porque não houve investimentos”, declarou Evanildo. 

Aliados à luta geral da sociedade, a direção do Stefbu e o Mercado Cênico cederam a sua sede para a realização do Sarau, "Cidade em Greve", evento que contou com a participação de diversas catgeorias em greve na cidade, tal como professores de escolas públicas, universidade federal entre outros. A atividade foi realizada na noite da última sexta-feira (26), naquela ocasião, Evanildo da Silva leu a Carta Aberta à Sociedade, documento elaborado pela direção sindical do Stefbu, que reproduzimos abaixo, na íntegra.  

 

SINDICATO DE TRABALHADORES EM EMPRESAS FERROVIÁRIAS DE BAURU, MATO GROSSO E MATO GROSSO DO SUL

Carta aberta à População do Mato Grosso do Sul

Golpe contra o Patrimônio Público Destrói a nossa ferrovia

 

O sindicato dos ferroviários vem a público, denunciar o estado caótico do transporte ferroviário do MS, a destruição do patrimônio histórico, impulsionador do desenvolvimento econômico das principais cidades do nosso  estado.

A ferrovia, no estado de Mato Grosso do Sul, está desativada de FATO, desde, 01/05/2015, com o anúncio, (interno) da circulação do ultimo trem no prazo máximo de 22/05/2015. Há também, um desmonte generalizado, de todos os processos de manutenção do sistema ferroviário, pela demissão de trabalhadores e fechamento das oficinas.

A Falta de escrúpulo dos controladores da Ferrovia Novoeste é impressionante. Mentem com a maior cara de pau. Isso foi o que fez o presidente da RUMO-ALL, Julio Fontana em declarações a imprensa, logo após se reunir como o Governador do Estado de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja e as bancadas de deputados estaduais e federais em 23 de junho, tentando justificar a suspensão das operações ferroviárias no Estado e também as demissões.

Mentem para não arcarem com suas responsabilidades, inclusive em relação aos ferroviários que foram demitidos de forma coletiva.

O desmonte da ferrovia ganhou repercussão por conta das denuncias do Sindicato, e que a empresa desmentia. A mobilização que conquistou apoio de vários setores do Estado desde autoridades de governo e setores empresariais prejudicados com a medida, é que abriu a possibilidade para esta discussão ganhar corpo. O transporte de grãos está suspenso na ferrovia Novoeste desde 2009.

A ALL retirou da malha mais de 2 mil vagões graneleiros e os levou para o Paraná, para atender a demando do corredor do estado inviabilizando a operação na Malha Oeste. Estas e outras ações ilegais que ferem  o contrato de concessão, foram realizadas com a complacência da ANTT e do GOVERNO FEDERAL, que mesmos sendo informados não adotaram nenhuma medida para exigir o cumprimento das obrigações do contrato.

A ALL que detinha o direito de operação desde 2006 e que continua mesmo com a fusão com a RUMO, foi quem sucateou deliberadamente a ferrovia, não investindo na manutenção da via, desmontando as oficinas de manutenção de locomotivas e vagões.

 Na reunião realizada em Campo Grande com o Governador do Estado, a empresa assumiu no compromisso de apresentar um plano de recuperação da ferrovia. mas, como considerar as promessas dos que estão no controle da empresa há quase 10 anos e nada que fizeram pela ferrovia? Mas estes empresários de bobo não tem nada. Agora estão solicitando do governo a ampliação dos prazos de concessão para continuar a destruição

Não há saída para a ferrovia e os ferroviários dentro deste modelo. A saída é a REESTATIZAÇÃO das ferrovias, e esta tarefa cabe ao Governo Federal, sob pena de responder por todos os crimes praticados contra o patrimônio publico em nosso estado.

 

A ferrovia é propriedade do povo brasileiro!!!!!

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
INSTITUCIONAL
SECRETARIAS
ESTRUTURA

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DO MATO GROSSO DO SUL
Travessa Coronel Edgarde Gomes, 49 | São Tomé | CEP 79002-339 | Campo Grande | MS
Fone: (55 67) 3325.9406 / 3325.8378 | www.cut-ms.org.br | e-mail: cutms.ms@hotmail.com