Twitter

CUT MS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > PETROLEIROS EM GREVE PELA REDUÇÃO DOS PREÇOS DOS COMBUSTÍVEIS E GÁS DE COZINHA

Petroleiros em greve pela redução dos preços dos combustíveis e gás de cozinha

29/05/2018

Greve de advertência de 72h começa a zero hora desta quarta; Petroleiros vêm fazendo assembleias e manifestações há dois meses por mudança na política de preços da Petrobras e o fim da privatização da

Escrito por: Rosely Rocha, especial para Portal CUT

“Pela redução dos preços dos combustíveis e gás de cozinha; todos na rua neste dia 30”. Essa é a bandeira da greve dos petroleiros e petroleiras, que tem início a zero hora desta quarta-feira (30).

A paralisação de advertência de 72 horas, organizada pela Federação Única dos Petroleiros (FUP-CUT), começou a ser organizada no início de abril deste ano, quando a Petrobras anunciou a venda de quatro refinarias.

Desde então, a categoria tem organizado atos, manifestações, audiências públicas e assembleias orientando os trabalhadores e trabalhadoras sobre a importância de defender a Petrobras e lutar pela redução dos preços da gasolina, do gás de cozinha e do diesel. 

Greve Petroleiros

ROBERTO PARIZOTTIParalisação dos petroleiros da Refinaria de Capuava, em Mauá, realizada nesta segunda (28) 

Para o coordenador Geral da FUP, José Maria Rangel, se a Petrobras utilizar o parque de refino existente e não vender as instalações para o capital internacional, o Brasil pode, sim, baratear os preços dos derivados de petróleo.

 “Se venderem as refinarias e também os terminais, como estão ameaçando, aí sim, o brasileiro vai pagar mais caro pela gasolina, diesel e gás de cozinha, cujos preços dispararam desde meados do ano passado”.

Os petroleiros criticam a alteração na política de preços dos combustíveis, que passou a vigorar após o golpe de 2016 e a ascensão de Pedro Parente à presidência da Petrobras. Segundo eles, essa política atende apenas aos interesses do capital financeiro internacional, aumentando absurdamente os lucros e prejudicando o povo brasileiro.

“Essa é uma política nefasta, que encarece os preços da gasolina, diesel e gás de cozinha. O litro da gasolina já chega a R$ 5 em alguns estados e o gás de cozinha chega a R$ 120”, denuncia Rangel.

Segundo ele, a decisão da direção da Petrobras de diminuir a operação de refino em 70% da capacidade total da companhia, obrigou o Brasil a exportar óleo cru e importar petróleo refinado.

“Esses 30% de capacidade de refino ociosos em nossas refinarias seriam o suficiente para atender o país”, diz Rangel.

Além disso, diz o dirigente, a produção da Petrobras, a capacidade de refino da empresa e o que o país consome de petróleo são em quantidade parecida, ou seja, não há necessidade de importação.

“Nossa produção chega a 2 milhões e 200 mil barris, o mesmo que o consumo interno e a capacidade de refino, que também estão em torno de 2 milhões”.

Porém, continua Rangel, “a decisão do gestor atual de beneficiar grandes importadores, fez saltar de 50 para mais de 300 o número de importadoras que jogam derivados de petróleo no país, sem necessidade”.

Não precisamos importar. Temos todo petróleo para abastecer o país.

O coordenador da FUP diz, ainda, que “a Petrobras está comprando o barril de petróleo a 75 dólares, enquanto aqui com o pré-sal, extraímos o barril a US$ 35”.

Reivindicações

Para aprovar a greve, os petroleiros e petroleiras realizaram um extenso calendário de assembleias  nas bases da Petrobras, nas plataformas, refinarias, terminais e usinas térmicas, entre abril e o dia 24 deste mês.

A pauta de reivindicações dos petroleiros inclui, além da mudança na política de preços da Petrobras; a suspensão da privatização da empresa e o cancelamento das vendas dos terminais e das refinarias Refap, em Canoas (RS); Repar,em Araucária (PR), Abreu Lima ,em Ipojuca (PE) e Rlam, em Candeias, na Bahia.

 A pauta da categoria inclui o “Fora Parente”. Segundo os petroleiros, Pedro Parente, atual presidente da Petrobras, é o causador de dois apagões no país, o da energia elétrica em 2001, e o dos combustíveis, com a greve dos caminhoneiros.

“Ele não tem condições de gerenciar nossa empresa, a Petrobras é do estado brasileiro, e o povo brasileiro é o seu maior acionista. A Petrobras tem de beneficiar o povo e a gestão de Pedro Parente pagou R$ 137 bilhões em dívidas e juros para bancos internacionais. Esses números comprovam que a empresa não está quebrada como alega esse governo golpista”, diz Rangel.

Por tudo isso, os petroleiros pedem:

- Fora Parente

- Fora Temer

- A Petrobras é do Brasil

Entidades apoiam greve dos petroleiros

Para o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Comércio e Serviços da CUT (Contracs), Alci Araújo, “a mobilização dos petroleiros representa a luta de toda a sociedade”.

Já a secretária de Finanças da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social, Célia Regina Costa, diz que “a pauta dos petroleiros - de baixar os preços combustíveis e gás de cozinha - é importante porque atende às necessidades do país”.

Segundo Nelson Morelli, secretário de Política Sindical da Confederação Brasileira Democrática dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação (Contac-CUT), o ramo da alimentação  apóia  a greve dos petroleiros porque “tem motivos para acreditar que o plano de Temer é entregar o patrimônio brasileiro para as empresas internacionais”.

 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
INSTITUCIONAL
SECRETARIAS
ESTRUTURA

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DO MATO GROSSO DO SUL
Travessa Coronel Edgarde Gomes, 49 | São Tomé | CEP 79002-339 | Campo Grande | MS
Fone: (55 67) 3325.9406 / 3325.8378 | www.cut-ms.org.br | e-mail: cutms.ms@hotmail.com