Twitter

CUT MS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > DESEMPREGADOS E QUEM TEM MENOR RENDA PAGAM MAIS JUROS DE CARTÃO DE CRÉDITO

Desempregados e quem tem menor renda pagam mais juros de cartão de crédito

12/06/2018

Pesquisa do BC mostra ainda que consumidores com ensino superior completo quitam saldo devedor ou fazem compras à vista ou parcelada com o lojista (61%), portanto, sem juros

Escrito por: Redação CUT

O rotativo do cartão de crédito é mais utilizado por desempregados e por beneficiários de programas sociais. É o que conclui pesquisa do Banco Central divulgada nesta terça-feira (12), em Brasília.

O rotativo é usado quando o consumidor não tem dinheiro para pagar a fatura inteira do cartão de crédito. Ele paga qualquer valor entre o mínimo e o total da fatura e o restante é automaticamente financiado e lançado no mês seguinte, com juros.

Este mês, o Conselho Monetário Nacional (CMN) definiu que a taxa de juros tem de ser igual para clientes regulares e não regulares. Até essa nova regra entrar em vigor, os clientes que não pagavam pelo menos o valor mínimo da fatura em dia caíam na modalidade de rotativo não regular, com taxa de juros mais cara que a cobrada dos clientes adimplentes (regulares).

A pesquisa do BC foi feita com dados de dezembro de 2017, quando ainda podia ter diferenciação entre regulares e não regulares.

Saldo devedor

Segundo a pesquisa do BC, entre os analfabetos, 38% do saldo devedor do cartão de crédito são divididos nas modalidades ‘à vista ou parcelado com o lojista’ (sem incidência de juros), 32% no rotativo regular, 6% no não regular e 27% parcelado (com juros).

No caso do consumidor com ensino superior completo, a maior parte do saldo devedor é da modalidade à vista ou parcelado com o lojista (61%), seguido de rotativo regular (25%), parcelado (23%) e rotativo não regular (3%). Os percentuais somam mais de 100% porque um consumidor pode ter saldo em várias modalidades ao mesmo tempo.

Entre os pesquisados que usam apenas as modalidades à vista ou parcelada com o lojista, 71,4% têm emprego formal, 2,1% recebem seguro-desemprego, 12,9% não recebem seguro-desemprego ou Bolsa Família e 19,9% são beneficiários do programa Bolsa Família.

Já na modalidade rotativo regular, 63,5% dos indivíduos têm emprego formal, 2,6% recebem seguro desemprego, 13,5% são desempregados sem nenhum auxílio e 28,5% recebem Bolsa Família.

No caso do rotativo não regular esses percentuais são, respectivamente, 54,3% (empregados formalmente), 3,9% (recebem seguro-desemprego), 20,5% (desempregados sem auxílio) e 29,6% (recebem Bolsa Família).

No relatório, o BC esclarece que as informações não são excludentes, ou seja, um indivíduo pode ter emprego formal e receber Bolsa Família, por exemplo.

Segundo o BC, as taxas de juros são mais baixas para os consumidores com idade mais elevada, renda mais alta, com alto nível de instrução e menos endividados porque apresentam um perfil de risco menor.

A pesquisa do BC envolveu 49,9 milhões de consumidores, com saldo total na carteira ativa de cartão de crédito de R$ 191 bilhões em dezembro de 2017. Entre eles, 15,6 milhões possuíam saldo devedor em cartão de crédito rotativo regular e 2,6 milhões tinham saldo devedor em cartão de crédito rotativo não regular.

Além disso, 41,8% (20,9 milhões) estavam formalmente empregados; 1,6% (786 mil) recebiam seguro-desemprego; 16,1% (8,1 milhões) eram beneficiários de algum programa social (em sua maioria, do Bolsa Família); 8,9% (4,4 milhões) foram demitidos entre 2016 e 2017 e não recebiam seguro-desemprego ou Bolsa Família; e 36,3% (18,1 milhões) não foram mapeados pelas bases de dados utilizadas.

“Nas modalidades do cartão de crédito rotativo (regular e não regular), observa-se menor participação de indivíduos com alta escolaridade, assim como maior participação de indivíduos recentemente desligados do mercado de trabalho formal e de beneficiários de programas sociais”, diz o relatório.

Além disso, acrescenta o Banco Central, a participação de consumidores com menos tempo de emprego e menor renda também é maior no cartão de crédito rotativo do que na modalidade à vista ou parcelado com lojista.

*Com informações Agência Brasil

CUT

 

 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
INSTITUCIONAL
SECRETARIAS
ESTRUTURA

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DO MATO GROSSO DO SUL
Travessa Coronel Edgarde Gomes, 49 | São Tomé | CEP 79002-339 | Campo Grande | MS
Fone: (55 67) 3325.9406 / 3325.8378 | www.cut-ms.org.br | e-mail: cutms.ms@hotmail.com