Twitter

CUT MS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > DISCURSO DE PRIVATIZAÇÃO DA PETROBRAS É BASEADO EM MENTIRAS

Discurso de privatização da Petrobras é baseado em mentiras

05/12/2018

Durante audiência pública na Câmara dos Deputados, os argumentos usados pelos governistas para aprovar a privatização da estatal foram desmentidas e maioria dos convidados se manifestou contra a venda

Escrito por: Redação CUT

Três mentiras sobre a privatização da Petrobras e a entrega da soberania do país às petroleiras estrangeiras foram expostas nesta terça-feira (4) pelo deputado Bohn Boss (PT-RS), durante audiência pública das comissões de Trabalho e de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados.

A privatização não vai garantir recurso para União, a estatal já é extremamente eficiente, e os preços de combustíveis não vão cair. "A primeira lorota é de que privatizando vai angariar recursos para o Estado. Mentira. Porque vendem a preço de banana, não têm nenhum recurso que viria para o tal do caixa", afirmou.

A segunda falácia, disse ele, e a de que vai ter eficiência. "Imagina a empresa privada falando da Petrobras, que é uma empresa pública, que foi premiada no mundo porque foi a maior, por exemplo, de prospecção no fundo do mar'.

Em terceiro lugar, prosseguiu Bohn, "o grande engodo: os preços para o consumidor vão ser menores".

A maioria dos convidados afirmou ser contrária à venda de refinarias da Petrobras. Para o ex-consultor legislativo Paulo César Lima, o custo médio de refino da Petrobras é inferior a US$ 3 o barril, o que torna o negócio muito lucrativo para a empresa. Ele disse ainda que os países produtores de petróleo geralmente refinam tudo o que produzem.

No Brasil, por causa da política de preços da Petrobras, que é vinculada ao mercado internacional, a equação é complicada. Cláudio Ishihara, do Ministério de Minas e Energia, informou que o país exporta petróleo cru e importa 15% dos derivados, embora 30% da capacidade das refinarias esteja ociosa. Ele explicou que, do ponto de vista do governo, a ideia não é construir refinarias mesmo que o mercado seja de expansão por conta do pré-sal:

"A gente aponta, sim, necessidade de refino no futuro; mas, por outro lado, não há mais esse poder determinante de mandar construir refinarias. Nem no setor elétrico isso ocorre mais", disse.

Em julho, o Supremo Tribunal Federal concedeu liminar que barrou a venda parcial de quatro refinarias da Petrobras que estava sendo encaminhada pelo governo atual. O ministro Ricardo Lewandowski entendeu que o Congresso teria que autorizar a venda de estatais. Paulo César Lima disse que a venda criaria duas empresas monopolistas no Sul e no Nordeste porque, além do refino, seriam vendidos os dutos e os terminais de armazenagem.

Fernando Siqueira, da Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet), disse que a empresa espera receber cerca de US$ 21 bilhões em vendas de ativos entre 2018 e 2022, o que ele considera pouco em relação à capacidade da companhia de gerar recursos e manter o seu patrimônio.

*Com informações RBA

 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
INSTITUCIONAL
SECRETARIAS
ESTRUTURA

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DO MATO GROSSO DO SUL
Travessa Coronel Edgarde Gomes, 49 | São Tomé | CEP 79002-339 | Campo Grande | MS
Fone: (55 67) 3325.9406 / 3325.8378 | www.cut-ms.org.br | e-mail: cutms.ms@hotmail.com