Twitter

CUT MS > LISTAR NOTÍCIAS > NO SUL, PRESSÃO DOS EDUCADORES ABRE MESA DE NEGOCIAÇÃO COM O GOVERNO

No Sul, pressão dos educadores abre mesa de negociação com o governo

13/09/2017

Mobilização tem reunido milhares de trabalhadores

Escrito por: CPERS (Sindicato dos Professores do Rio Grande do Sul)


O Ato Público Estadual da Greve realizado hoje na Praça da Matriz reuniu milhares de educadores, pais e estudantes para exigir o fim do parcelamento dos salários dos professores e funcionários de escola e a retirada dos projetos de lei que atacam os direitos do funcionalismo público. A forte mobilização fez com que o líder do governo, o deputado Gabriel Souza, e o chefe da Casa Civil, Fabio Branco, recebessem o Comando de Greve do CPERS. Ficou definido que nesta quinta-feira, dia 14, à tarde, ocorrerá uma reunião com o secretário de Educação, Ronald Krummenauer, e o secretário da Fazenda, Giovani Feltes. Outra conquista da mobilização desta terça-feira foi a retirada do PL 148 da pauta de votações da Assembleia Legislativa.

Antes de serem recebidos para a reunião com os representantes do governo, os educadores foram reprimidos com empurrões e spray de pimenta ao tentarem negociar pacificamente a reunião do Comando de Greve com o governo, no Piratini. Em resposta, a categoria retirou as grades que a separava das portas do Palácio e permaneceu ali até que o governo concordasse em recebê-la.

Durante a reunião, realizada na Assembleia Legislativa, a presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer, destacou que mesmo que os educadores queiram voltar às escolas, o governo não possibilita as condições financeiras e psicológicas para isso. “Nós não temos dinheiro e estamos psicologicamente abatidos com tanto desrespeito. Como vamos estar à frente dos nossos alunos? Enquanto não cessar o parcelamento dos nossos salários, não retornaremos. Quanto mais o governo demorar para resolver esta questão, mais está colocando em risco o ano letivo. Quanto mais demorar para acabar com o parcelamento, mais tempo ficaremos em greve e mais dias terão de ser recuperados. Se não tivermos o fim do parcelamento e o pagamento dos juros que estão nos cobrando, não haverá recuperação. O governo já anunciou que deve unir as folhas em setembro. Ou seja, corremos o risco de não receber nada. Voltar agora é fortalecer o governo na mesa de negociação. Não voltar fortalece a ainda mais a nossa categoria. Nossa greve continua, ainda mais forte para impedir o novo parcelamento”, afirmou.

A partir de hoje, para fortalecer ainda mais a pressão ao governo, os educadores ficam acampados na Praça da Matriz.

 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
INSTITUCIONAL
SECRETARIAS
ESTRUTURA

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DO MATO GROSSO DO SUL
Travessa Coronel Edgarde Gomes, 49 | São Tomé | CEP 79002-339 | Campo Grande | MS
Fone: (55 67) 3325.9406 / 3325.8378 | www.cut-ms.org.br | e-mail: cutms.ms@hotmail.com