Twitter

CUT MS > LISTAR NOTÍCIAS > AJUSTE NO PLANO DE SAÚDE DOS CORREIOS É GOLPE NOS TRABALHADORES, DIZ FEDERAÇÃO

Ajuste no plano de saúde dos Correios é golpe nos trabalhadores, diz federação

11/01/2018

Trabalhadores dos Correios recebem menores salários entre as empresas públicas e estatais

Escrito por: Felipe Mascari, da RBA

Com o menor salário entre os trabalhadores das estatais, os funcionários dos Correios deverão sofrer com outro golpe do governo federal: alterações importantes no plano de assistência à saúde. O Tribunal Superior do Trabalho (TST) deverá julgar em fevereiro a ação para retirar pais, filhos e cônjuges da assistência médica dos funcionários.

Para os trabalhadores, além da ação ir contra o acordo coletivo, falta transparência do governo ao apresentar um suposto déficit da empresa para justificar a medida. Segundo o secretário-geral da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), José Rivaldo da Silva, os funcionários não recebem um salário justo para arcar com os custos que virão a partir da retirada de seus familiares dos convênios.

"Cerca de 80% dos trabalhadores dos Correios têm média salarial muito baixa, não chega a R$ 2 mil. É muito pouco para que o governo coloque mais uma conta no nosso bolso. Não tem como a gente pagar um plano de saúde", afirma.

Atualmente, o acordo coletivo permite a cobertura de 95% dos custos do plano aos concursados e de seus 260 mil dependentes. Os Correios querem reduzir em um terço o gasto de R$ 1,8 bilhão anual, caso o TST julgue a ação em favor da empresa. "O governo quer dar um golpe nos trabalhadores e colocar na nossa conta o falso argumento da falência dos Correios", lamenta Rivaldo.

A federação diz que o déficit alardeado pela direção da empresa não é transparente e tem como base os lançamentos contábeis relacionados aos planos de demissão incentivada, pós-emprego e depreciações. "Nos últimos 20 anos, o governo gastou, em média, de 8% a 9% da receita bruta da empresa com plano de saúde. Ao longo dos anos a receita cresce, mas o gasto não dobrou, se manteve nessa média", explica Rivaldo.

A Fentect afirma que atua em duas frentes para derrubar a ação: mobilizando os trabalhadores e conversando com o Ministério Público. "Vamos levar os números que temos para tentar descaracterizar este argumento de que é o plano de saúde o responsável pela oneração da empresa."

Entretanto, os ataques a direitos conquistados pelos trabalhadores, desde a chegada do governo Temer ao poder, faz a categoria se preparar para a necessidade de intensificar a luta. "Com as mudanças nas leis trabalhistas e decisões monocráticas que o tribunal tem tomado, a gente aguarda com muita cautela", acrescenta o secretário-geral.

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
INSTITUCIONAL
SECRETARIAS
ESTRUTURA

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DO MATO GROSSO DO SUL
Travessa Coronel Edgarde Gomes, 49 | São Tomé | CEP 79002-339 | Campo Grande | MS
Fone: (55 67) 3325.9406 / 3325.8378 | www.cut-ms.org.br | e-mail: cutms.ms@hotmail.com